15°/ 27°
Belo Horizonte,
31/OUT/2016

ATIVIDADE FÍSICA »

Acroyoga trabalha força e equilíbrio e sempre é realizada em grupo

Alguns movimentos da ioga acrobática parecem de circo

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Revista do CB - Correio Braziliense Publicação:21/09/2013 15:00Atualização:16/09/2013 11:10
Um misto de acrobacias de solo e ioga, com as posições praticadas em grupo. A acroyoga, uma das várias modalidade da ioga, tem atraído brasilienses. A atividade inclui, ainda, a chamada thai yoga massagem — técnica baseada na massagem tailandesa, importante para soltar os músculos e relaxar depois do esforço físico e do uso da força. Thais Joi, professora certificada que dá aulas em Brasília, explica que a atividade é dividida em dois tipos de posições: “O primeiro são as acrobáticas. Solares, usam a força e a explosão do corpo. O segundo são as terapêuticas. Lunares, são calmas e relaxantes”.

Normalmente, a acroyoga é trabalhada em trio: nesse caso, Thais (no chão) é a base, William é o voador e Clara, a cuidadora (Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
Normalmente, a acroyoga é trabalhada em trio: nesse caso, Thais (no chão) é a base, William é o voador e Clara, a cuidadora
O maior diferencial da acroyoga está, principalmente, na interação entre os participantes. “Fazemos tudo em duplas, trios e grupos. É muito importante a relação entre as pessoas. É preciso aprender a ouvir, manter o entrosamento”, explica Thais. Além disso, há o trabalho de confiança, já que as posições incluem os praticantes completamente fora do chão, apoiados apenas pelas pernas de outros.

Essa particularidade foi justamente o que atraiu a estudante de psicologia Clara Lenzi, 18 anos. “É uma ioga que não é individual. Você tem uma relação com a outra pessoa. Existe uma conexão e temos sempre que estar em harmonia com o que o outro faz”, justifica. Ela conheceu a prática quando um amigo com quem faz circo, William Lauriano, 36 anos, falou sobre a aula, em novembro do ano passado. Clara não praticava ioga, mas achou interessante a inserção de acrobacias semelhantes às que já fazia. Depois que começou a praticar, notou melhora no equilíbrio. “No circo, eu vivia fazendo coisa errada e caindo, mas não sabia o porquê. Na acroyoga, entendi. A prática me deu mais consciência corporal.”

Mestrando em arquitetura, William começou as aulas de circo em agosto do ano passado e ficou interessado na acroyoga por conta das semelhanças. “Tem gente que não gosta de misturar as duas coisas, mas, para mim, tudo é muito parecido. A diferença é que o circo procura uma velocidade nos movimentos, um espetáculo, já a acroyoga é mais devagar, prestando sempre muita atenção a cada movimento e posição”, compara. Mas o que fez o rapaz realmente se interessar pela modalidade foi a vontade de não mais praticar esportes individuais. “Mesmo os esportes em grupo têm uma certa rivalidade. Gosto da filosofia da acroyoga de integração, quase uma transformação de dois corpos em um.”

Os participantes normalmente praticam em trios: a base permanece deitado de costas no chão; o voador apoia as pernas na base em várias posições; e o cuidador fica ao lado, arrumando o corpo de quem sobe e cuidando para que ele não caia. A ideia é usar a força do corpo e, então, relaxar. Por isso, costuma-se começar com a parte acrobática, passa-se para os voos terapêuticos e, finalmente, para a thai massagem. Cada aula custa R$ 30 e dura até duas horas.

William enfatiza ainda que a acroyoga é uma forma de lazer. “Parece uma brincadeira de criança.” Mas completa: “É preciso aprender as posições do jeito certo, porque qualquer errinho pode acarretar algum acidente”. Clara acrescenta a questão terapêutica aos benefícios. “A gente faz força, mas, com a combinação com a massagem, sempre sai se sentindo bem.”

Professora de ioga há sete anos, Thais Joi teve o primeiro contato com a acroyoga há quatro, quando o professor colombiano Juan Pablo veio a Brasília fazer uma demonstração. Como não há escolas de treinamento para professores no Brasil, Thais se formou no México.

Algumas posições
A prática da acroyoga costuma começar com as posições aeróbicas e passar para as terapêuticas. Força e relaxamento, nessa ordem. É possível também fazer apenas um dos tipos por vez, mas é indicado terminar um antes de começar o outro. O objetivo é sempre encerrar os exercícios com relaxamento. Por isso, no fim, ainda tem a parte de thai massagem, com um exercício chamado Love Legs, que visa principalmente o relaxamento das pernas da base. Veja algumas das posições mais executadas:

Sequência Acrobática: Solar

1 - Box: Mantendo o alinhamento do corpo, base e voador sobem juntos no contrapeso para aquecer a região do abdome (core energético), trabalhando confiança e firmeza corporal.  (Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
1 - Box: Mantendo o alinhamento do corpo, base e voador sobem juntos no contrapeso para aquecer a região do abdome (core energético), trabalhando confiança e firmeza corporal.


2 - Pássaro: Base com pernas firmes estendidas a 90 graus e pés retos próximos à crista ilíaca (osso do quadril) do voador, que mantém o corpo todo firme, como se fosse uma peça só.  (Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
2 - Pássaro: Base com pernas firmes estendidas a 90 graus e pés retos próximos à crista ilíaca (osso do quadril) do voador, que mantém o corpo todo firme, como se fosse uma peça só.


3 - Trono aberto: Base posiciona os pés na coxa interna do voador, que entrelaça as pernas na parte da frente da base para firmar, com o queixo no peito, trabalhando o equilíbrio. (Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
3 - Trono aberto: Base posiciona os pés na coxa interna do voador, que entrelaça as pernas na parte da frente da base para firmar, com o queixo no peito, trabalhando o equilíbrio.


Sequência Terapêutica: Lunar

1- Bat: Conhecida também como morcego, essa postura é excelente para massagear a coluna cervical.
 (Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
1- Bat: Conhecida também como morcego, essa postura é excelente para massagear a coluna cervical.


2 - Amor às pernas: Conhecida como love legs, a sequência de thai ioga massagem completa o ciclo para soltar os músculos das pernas da base, que tanto trabalha durante os voos. (Zuleika de Souza/CB/D.A Press)
2 - Amor às pernas: Conhecida como love legs, a sequência de thai ioga massagem completa o ciclo para soltar os músculos das pernas da base, que tanto trabalha durante os voos.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.