15°/ 27°
Belo Horizonte,
31/OUT/2016

Amor e amizade andam juntos para ex-casais que conseguem superar traumas da separação

Sentimentos complementares podem caminhar lado a lado se o casal tem amadurecimento suficiente para saber superar a raiva do outro, a frustração e os traumas de uma separação

Diminuir Fonte Aumentar Fonte Imprimir Corrigir Notícia Enviar
Carolina Cotta - Estado de Minas Publicação:22/09/2013 10:08Atualização:22/09/2013 10:28
Uyara Mendes e Ronaldo Proença se separaram depois de 21 anos juntos. Eles frequentam a casa um do outro e comemoram datas especiais  (Beto Magalhães/EM/DA Press)
Uyara Mendes e Ronaldo Proença se separaram depois de 21 anos juntos. Eles frequentam a casa um do outro e comemoram datas especiais

Às vezes, é o que sobra. A paixão se esvai, o amor se transforma, e com quem tanto se dividiu e sorriu só fica amizade. O que não é pouco. O sentimento acompanha os casais pela vida a dois. Amizade que é também respeito, cumplicidade, apoio, um carinho que transcende. Segundo a psiquiatra e psicoterapeuta Ana Ester Nogueira Pinto, coautora do livro e jogo Tui: a arte de amar, amor e amizade são sentimentos próximos. “A origem e a vibração é a mesma. Mas o amor que une parceiros e que forma o casal é o amor sensual, sexualizado. Esse amor erótico sustenta a maioria das relações, principalmente de adultos jovens. Devem existir afinidades de corpo, de alma, de valores. Isso resulta, normalmente, em casamento.

Segundo a especialista, a capacidade de amar ou de lidar com as frustrações e raivas é treinada nas relações de família, em especial na primeira infância, com a mãe e o pai. Se eles se amam e passam amor para a criança, ela terá forte tendência a manter essa forma de relação. E vai amar pessoas por afinidade, de uma forma fraterna ou sensual, quando for o tempo. Como o casamento, surge uma série de tarefas e obrigações que não eram vividas na casa dos pais, e o casal precisa desenvolver a maturidade de cuidar delas sem perder de vista o namoro. Se o casal, em especial aqueles que já têm filhos, passa a conviver como colegas de república, e com ressentimento pelas obrigações e deveres, vem o problema.

Surgem duas opções. Uma delas é levar a vida assim, em boa convivência, respeitando o cansaço do final do dia, desenvolvendo a fraterna amizade. Na outra, as raivas vão sendo acumuladas com saudades de um tempo de vida sem compromissos e passa-se a ver o outro como culpado pela própria infelicidade. Vem a separação. E separação, com raiva, é sempre ruim e traumatizante. “Uma boa relação de casal envolve amor, amizade, admiração e sexo. Não precisa ser sexo todo dia, como nos jovens namoros, mas um jogo sensual diário que lembre ao outro o quanto ele é querido e admirado”, explica Ana Ester Nogueira.

À PROVA
Faz parte das relações de amor o sentir-se amado, especial, reconhecido e belo. Quando tudo isso deixa de existir, quando fica só a ternura amiga, quem sentir falta de ser desejado e visto como um ser de beleza e força irá buscar essa sensação de vitalidade em outra pessoa, em outro encontro. E assim, todo amor é posto à prova. “O amor maduro escolhe a felicidade do outro, em primeiro lugar. Sente a dor, mas acolhe a realidade da perda e pode fazer sobreviver a amizade, o respeito, os interesses em comum (filhos, se for o caso). O amor que prima pelo sentimento de posse fica agredido, frustrado, raivoso. Não haverá amizade porque já não havia a maturidade do sentimento.”

Alguns casais tentam manter a relação pensando na família, na expectativas dos pais ou dos filhos. Mas é um equívoco: os dois acabariam ressentidos e frustrados ao não priorizar a própria vida e liberdade de escolha. Segundo Ana Ester, também é um engano pensar que os filhos não percebem a infelicidade dos pais. Eles não só percebem, como introjetam aquele modelo de relação para si mesmo, mantendo um circuito de falta de autonomia e infelicidade. É preciso viver as escolhas, afinal, todas as experiências de vida fazem parte do aprendizado de viver, de se humanizar e de amar. O desenvolvimento psicológico humano vem pelo amor ou pela dor.

Três perguntas para...
Thalita Matta Machado - 31 anos, jornalista, filha de Uyara e Ronaldo
Thalita Matta Machado - 31 anos, jornalista, filha de Uyara e Ronaldo

Como você reagiu à separação dos seus pais?
Não foi uma surpresa. Eu tinha 18 anos, idade suficiente para perceber que o casamento já tinha acabado. No começo encarei muito bem, mas depois de uns meses senti falta do papai em casa. Cheguei a morar um tempo com ele, mas o colo de mãe falou mais alto.

A manutenção da amizade entre eles trouxe ganhos para você? Quais?
Muitos! Imagine todas as situações de eventos sociais que filhos precisam administrar com pais brigados? Não temos nenhum problema quanto a isso, passamos feriados, festas de Natal, aniversário juntos. Não existem dúvidas como: "Convido mamãe ou papai? Será que ele/ela vai ficar chateado?" Fica mais fácil entender que você não deixa de ter uma família porque seus pais não estão casados.

Você acredita que é possível ser amigo do ex? Por quê?
Completamente! É claro que depende do ex. Se ele tiver caráter e o término for tranquilo, sem traumas para as partes, não vejo motivo para não manter a amizade com alguém que você amou, que foi (e muitas vezes continua sendo, mesmo depois do término do relacionamento), tão importante na sua vida.

COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva dos autores.